Bolsas | 2006

Exposição em Pousada de Guimarães-Santa Marina-Costa | Guimarães

 

(...) O pão, o ritual de feitura e de venda, foram um ponto de partida para o meu trabalho. Associa-se o uso do saco ao quotidiano de quem "vai ao pão". (...)


Fiz bolsas com o molde do saco de "ir ao pão", tratando cada uma como um universo único onde os têxteis se ligam, diferentes na cor, textura, peso, brilho, padrões e valor. Cada uma tem uma composição própria, tanto no exterior como no interior (direito e avesso).

Por isso dei-lhes títulos. É o nome que distingue e dá existência às pessoas e às coisas e que torna tão certa a relação entre os objectos e os seus possuidores.


Teresa Segurado Pavão

 

 

Bolsas